quarta-feira, outubro 04, 2006

Na fila da lotérica. De como PC Farias não morreu.

- Mas e o Collor hein? Quem diria? O brasileiro não tem memória mesmo...
- Tem nada sô. Num lembrô do tal do Palhoci que foi mês passado, vai se lembrar do Collor que já tem um monte de ano?
- É verdade. Brasileiro não tem jeito mesmo. Acredita em tudo.
- A sinhora num há de vê que outro dia eu confirmei uma suspeita minha?
- Ah é? Que suspeita? Num vai me dizer que é a de que o Lula não sabia de nada mesmo?!?
- Nossasinhora... Credu em cruiz, mas essa nem eu que num tenho istudo aquerdito.
- Tá certo! O que o senhor descobriu?
- Eu discubri que o PC Farias tá vivo. Descobri não. Confirmei. Porque naquela historinha pra boi dormir eu nunca aquerditei.
- PC Farias ? Num era .. como é mesmo ... PCC?
- Não... PC Farias, aquele bigududo que era tesoureiro do Collor... Aquele que “dizem”... foi encontrado com uma potranca morta, com o perdão da palavra.
- Ah... lembrei aquele que matou a amante e se matou depois. Ou foi ela que matou ele e depois se matou? Lembro que na época foi quase um Romeu e Julieta né?! À brasileira, mas um fim de história de amor bem trágico.
- Tá venu? Eles contaram aquela historinha mela-cueca e todo mundo aquerditô. Disseru que era crime de amor, que mataram por amor. Se ainda fosse por dinheiro, mas amor? Que papo furado...
- O senhor está louco? Ele não pode estar vivo. Todo o Brasil viu ele morto.
- Mais num era ele. Era bem paricido, aqueles dubrê sabe? Mataram um coitado, um barrigudo, careca, bigodudo e muito do azarento... e fizeru todo mundo pensa que era ele.
- Ai ai ai.. essa história tá muito confusa. De onde o senhor tirou isso?
- Foi agora, antes de eu voltar da roça. Tava passanu uns dia cum minha fia, e um capataz da fazenda do lado me contô. Ele trabáia na fazenda da famia do PC. Disse que ele ta vivim da silva, no bem bão lá no Estadozunidu. Disse que fez implante na careca, tirô o bigode e deu uma ismagricida boa. Mudou de nome e tudo. E ele falou que ele inté vem no Brasil de vez em quando pra ri da nossa cara. Inté hoje tá gastanu o dinheiro dos trambique do governo do Collor.
- Nossa... Não sei o que dizer.
- Pois é, tamém fiquei bobo quando soube, mas eu sempre achei que aquela história tava mar contada. E tem mais, acho que foi o PC que pagou a porpaganda do Collor, cê num viu que ele fez campanha em só um mês. É que tava cumpricado carrega dólar urtimamente e inté chega aqui no Brasil demorô um bucado... mais num é que o danado se elegeu?
- Poxa vida... o senhor hein? Um belo analista político... E essa fila, não anda?
- Ah fia, fila é igual ao sistema político, devagar devagar, uma hora mata a gente. Por falar nisso, ocê sabia que Tranquedo morreu foi de morte matada né? Num foi murrida ingual falaro não.
- Hã?
- É! Deru um injeção danada dele. Injeção de câncer. Por causa diquê ocê acha que ele sarava de uma coisa e ficava ruim da outra? Sarava dum lado e ficava ruim do outro?
- Não me leve a mal, mas acho que o senhor é maluco!
- É.. sou memô, maluco por ainda aquerditá nessse país. Óia moça, pois ocê trata de disconfiá mais das coisa viu? ... Num aquerdita em tudo que falam por aí não, eles acha que o povo é bobo, que inventam quarqué história mirabolante e que nóis vai inguli. A maioria ingoli sem mastiga... agora eu? Por causa de que ocê acha que to acabado desse jeito? É de tanto martigá e martigá essas pedrera que jogam na nossa cara tudo que é dia. E óia que a maiuria eu cuspo longe. Ó tão chamanu. É a veiz da sinhora.

Baseado em um diálogo ouvido pelo meu irmão Wesley na fila de uma Agência Lotérica, um dia depois das eleições.

5 comentários:

André Luiz disse...

huahauhauahuha Muito bom! E muito bem escrito! Injeçao de cancêr foi foda! hehehe

Sussy Michelly disse...

heheheheh.. valeu André!
Eu dei trela quando meu irmão me contou, fiz ele repetir umas das vezes.. queria tanto estar lá pra ver de perto... e o Wesley ainda conseguiu ficar na dele... acho que eu tinha entrado no meio da conversa. Mas sabe que ele pode ter razão? Esse povo é capaz de tudo... hehehehhe

Fabiano disse...

Já estava com saudades dos textos! Realmente em meio à tanto fica difícil acreditar,mas nós não desistiremos,isso é nosso,existe algo chamado esperança, aliada a uma "certa" pessoa de nome Fé que nos impede desistir! Só não podemos cair no meio comum do "está perdido", "nada presta", "não confio em ninguém", reflita...

Sussy Michelly disse...

Obrigada por visitar o blog e comentar, Fabiano ... é .. reflitamos!

mariana disse...

Hehehe, dei trelas aqui!!!
Fila de lotériaca é foda....
beijo para vc...