sexta-feira, janeiro 30, 2009

Enviado

'Queria agora poder te dar um beijo'. Enviar mensagem? Enviar. E assim que ela clicou sentiu que sua cabeça pendia para cima. Com um peso que ela não podia prever. Um homem de camisa amarela estava no seu quarto. Ela nunca o viu mais estranho. No tempo que durou eternos 3 segundos passou tudo pela cabeça dela. Um vizinho que tinha dio buscar açúcar. Um disco voador que pousara no terraço. Uma manifestação de mediunidade. Um assalto! Outro assalto? De novo? Deu tempo de pensar, enquanto a voz fugia estômago a baixo. A arma fria que cumprimentou o rosto dela poupou maiores apresentações. Era. Outra vez. Onde está o dinheiro? Desce. A pistola cavalheira, deu-lhe o braço e desceram juntos as escadas. Os familiares a esperavam no banheiro. Dores de barriga. Laxante social forçado. Vômito. Medo. E presos no cubo, falavam pelos olhares. Nunca conversaram tanto. Eram pedidos de desculpa, despedidas, declarações. Falavam de reação, de piedade, de fé. Os olhos pediam ajuda como se estivessem roucos. Onde está o dinheiro? Onde estavam enquanto faziam dinheiro? Ela pensou. Pensou na mensagem que enviara. Parecia que sabia que em segundos caminharia pelo corredor da a morte e fazia seu último pedido. Teria direito a sua última refeição (vide primeira frase). Tinha certeza de que escolhera a coisa certa. Ouviu o celular apitar. Devia ser a promessa do beijo chegando. Eles não iriam entregar. Onde está o dinheiro? Onde está, meu Deus, um milagre? Mais uma chance. Dessa vez vai ser diferente. Reza comigo, filha. Shhh... Foram embora. !!!! Voltaram. Vamos queimar todos. Vou tacar fogo. Cadê o álcool? Amarra. Vai morrer. Vou sar um chute na sua cara. Não to com pressa. Pelo amor de Deus. Trimmmm. Atende! Se respirar diferente, eu aperto o dedo. Tiau. Beijo. Não vai reagir dessa vez, não, viadinho?! Cala a boca! Cadê o dinheiro? Toma essa água. Vamos usar o carro pra fuga. Qual é a chave da portão? Em 10 minutos vocês podem sair. Em 20! Deus lhe pague. Em 20 minutos, mata todo mundo. E cerca de 3 horas depois, acabou. Quando voltou a respirar, ela queria que a vida lhe desse direito a seu primeiro pedido.

2 comentários:

Na toca do coelho disse...

Ai Susu, ela de novo.
Nem dá pra descrever, mas prendi a respiração enquanto lia seu texto.

Muda de lugar, pra ela ficar perdida e não voltar mais.


Bjooo

Renata Prado disse...

putz. a fé só diminui, cada dia mais. tem hora que dá vontade de pedirem pra me levar daqui. pra sempre.